Domingo IV da Quaresma 10-03-2013

12-03-2013 15:54

DESCOBRIU O SEU PAI

 

Foi necessário sair de casa para descobrir o calor do lar.

Foi necessário passar fome para saber como saboroso era o pão de casa.

Foi necessário viver entre os animais para entender como se vive bem no lar.

Foi necessário sentir-se lixo para pensar seriamente que tinha um pai.

Foi necessário passar necessidade para descobrir o amor do pai.

 

Sabemos como saboroso é o pão quando não o temos.

Sabemos como é bom ter um pai quando ele não está-

Sabemos a importância da família quando a perdemos.

Sabemos o importante que é a fidelidade quando perdemos o nosso matrimónio.

Sabemos o belo que são os nossos filhos quando no-los tiram.

 

Precisamos cair até ao fundo para entender que em cima está a luz.

Precisamos de nos sentir destroçados pelo pecado para abrir os olhos à Graça.

Precisamos de sentir o vazio de Deus para sentir o importante que é Deus na vida.

Precisamos de cair na doença para valorizar a saúde.

 

O povo de Deus experimentou a dureza do deserto, para apreciar melhor o valor de ter uma terra própria.

O povo de Deus sentiu a dureza da escravidão para dar-se conta da beleza da liberdade.

 

Será por isso que a liturgia canta:

“Oh feliz culpa que nos mereceu tão grande Redentor”?

É triste que alguém de partilhar as bolotas dos porcos

para recordar-se do pão quente que tinha todos os dias em casa.

É triste ter de viver sob o jugo do dono da vara de porcos

Para dar-se conta de que em casa há um pai.