XI Domingo do Tempo Comum 16-06-2013

18-06-2013 15:59

Chama-me a atenção, Jesus, a sensibilidade do Teu olhar;

A quantidade de vezes que se Te “escapam os olhos” para descobrir pessoas que Te necessitam. Preocupas-Te em olhar, porque as pessoas são o mais importante para Ti, gastas tempo em fixares e, então, vês.

Olhar criador o Teu, Jesus, que quando alguém se encontra com ele, sente como cresce uma vida nova no seu interior.

Olhar o Teu, Jesus, que se fixa, sobretudo, nas pessoas excluídas da sociedade, “mal vistas” e Te aproximas e as incluis no teu grupo.

Olhar humanizador que põe em pé a pessoa e lhe restitui a dignidade que as pessoas “decentes e bem vistas” lhe tiraram.

Olhar cheio de amor e de ternura o Teu, Jesus, que se deixa afectar pelo que vê; que chega às Tuas entranhas de misericórdia.

Olhar que nos convida a ir pela vida com os olhos da cara e os do coração bem abertos; a ir mais além das aparências; a não nos deixarmos enganar pelo que nos fazem ver; a crer na pessoa, nas suas possibilidades, ainda que não vejamos os resultados.

Olhar, também Jesus, que se vira duro e desafiante, quando vê que alguém pretende pôr a Lei ou a tradição acima da pessoa.

Olhar sereno e cheio de fortaleza, a partir de um coração livre e coerente, que apostou por Deus-Pai e o seu projecto e nele pôs o sentido da sua vida.
Ensina-nos, Jesus, a olhar para cima, deixando que nos empapem, “a ternura e as entranhas de misericórdia” de Deus, nossa Mãe, nosso Pai, mas que nos situe aqui abaixo, para não olhar as outras pessoas desde cima.