XXVI Domingo Comum - 30/09/2012

01-10-2012 08:35

Meu Deus, estou tão persuadido que Vós velais sobre os que esperam em Vós, e que nada pode faltar quando se esperam de Vós todas as coisas, que resolvi viver no futuro sem qualquer preocupação e descarregar sobre Vós todas as minhas inquietações: «Deito-me em paz e logo adormeço, porque só Tu, Senhor, me fazes viver em segurança». (Sl. 4, 9)

Conheço demais que sou frágil e inconstante, sei o que podem as minhas tentações contra as virtudes mais asseguradas, mas tudo isso não pode assustar-me: enquanto eu esperar, estou longe de todas as infelicidades e estou seguro de esperar sempre, porque espero ainda nessa invariável esperança.

Enfim, espero que Vós sempre me amareis e que eu Vos amarei também sem interrupção: e para levar num instante a minha esperança tão longe quanto pode ir, espero a Vós mesmo de Vós-mesmo, ó meu Criador para o tempo e para a eternidade. Assim seja!

S. Cláudio de la Colombière